Murilo Gun: “Minha vida mudou quando percebi que posso entregar conteúdo relevante com humor”

Crédito: Paulo Paiva/DP/D.A.Press

Crédito: Paulo Paiva/DP/D.A.Press

Com pouco mais de 30 anos, o administrador Murilo Gun levou o nome de Pernambuco para várias áreas: na Internet, no mundo do empreendedorismo e humor, só para citar alguma delas. Hoje, ele faz palestras em todo o Brasil compartilhando as suas experiências com plateias que lotam para vê-lo falar. Neste domingo, ele voltou à sua cidade Natal com a peça “Tentativa e Erro”, que será encenada no Teatro RioMar do Shopping Recife. Antes disso, respondeu à entrevista da nossa repórter Gabriella Autran. Falou sobre seu trabalho, influências e os vários planos que tem para o futuro. Confira:

– Como você concilia a carreira de humorista e a de palestrante?
A carreira de humorista é independente da carreira de palestrante. Mas a carreira de palestrante é integrada com a de humorista. Porque eu faço shows de humor sem conteúdos educativos, mas não faço palestras sem material cômico. Minha vida mudou quando caiu a ficha que o humor é uma grande ferramenta para entregar conteúdo relevante para as pessoas.

– Como essas suas duas carreiras se encontram? E qual a melhor parte de cada uma delas?
A melhor parte da carreira de humorista é a expectativa de saber se aquela piada nova que você pensou em casa à tarde, vai dar certo no palco à noite. Isso é eletrizante!  melhor parte da carreira de palestrantes ocorre bem depois da apresentação, quando eu recebo um e-mail de alguém contando o impacto do meu conteúdo na vida dela. Isso é emocionante!

– Quais são as suas maiores influências no mundo do humor?
No jogo de palavras, George Carlin e Jessier Quirino. No olhar observador do cotidiano, Jerry Seinfeld e Max Gehringer.

Murilo Gun. Crédito: Agência Ideal / Divulgação

Murilo Gun. Crédito: Agência Ideal / Divulgação

– O “Tentativa e Erro” já passou por muitos lugares, o que o Recife pode esperar de novo?
Como o próprio nome diz, o processo de criação de humor é baseado em tentativa-e-erro. A cada show, a gente vai polindo os textos, aperfeiçoando o timing, eliminando algumas piadas, adicionando outras…O que se pode esperar é que o próximo show vai ser melhor do que o último.

Quais são os projetos profissionais para 2015?
Meu principal projeto para 2015 é lançar o meu curso sobre criatividade online. Já dou cursos sobre criatividade em empresas e faculdades, mas concluí que para ter um impacto realmente relevante no mundo, preciso usar a Internet para escalar o meu conteúdo. Até a próxima Copa, quero que 1 milhão de pessoas tenham feito o meu curso online. Também quero lançar um livro sobre a minha teoria Comedy Thinking: como o jeito de pensar do comediante pode ser útil para inovação e voltar a ter uma programação semanal fixa de humor no meu canal do Youtube.

– Como funciona a sua rotina e o seu processo de criação?
Acredito que o processo criativo é um processo básico de input-processamento-output. A minha rotina diária é caçar inputs. Observar o dia a dia com um olhar diferente. Olhar para o que todo mundo olha, mas ver o que poucos veem. Uma vez que eu acumulei inputs diversificados, vem o processamento, que é misturar esses inputs da maneira mais improvável possível. Combinar coisas aparentemente incombináveis. E, por último, vem o output, que é testar o que foi criado. Se der certo, entra para o repertório. Se der errado, gera uma aprendizagem que retroalimenta o input e recomeça o fluxo.

– O que mais te estimula na hora de criar?
Ver a criação ser colocada em prática: o texto de stand-up no palco, o roteiro de humor em um vídeo, o insight numa palestra etc.. Não basta ser criativo, tem que ser empreendedor e colocar as criações em prática.

– Tem alguém que você adoraria ter conhecido e não conheceu?
Eduardo Campos

Author: Tatiana Sotero

Share This Post On