Entrevista com Eduardo Sterblitch

Estrela do espétaculo “Use Me”, que aporta no Recife este final de semana, o ator e comediante Eduardo Sterblitch compartilha momentos de toda sua carreira no palco. A peça, que estreou em junho, retrata todos os personagens já interpretados por Sterblitch, além de entregar o que se passa dentro da sua mente, em uma releitura de toda a vida e carreira. Serão duas sessões no Recife, este sábado, no Teatro RioMar: às 19h e às 21h30. A direção é de Rafael Queiroga e o espetáculo conta com a participação de André Pateta e DJ Rael Barja. Eduardo Sterblitch conversou com o Blog João Alberto sobre o novo projeto:

Cena do espetáculo "Use Me". Crédito: Divulgação do espetáculo

Cena do espetáculo “Use Me”.
Crédito: Divulgação do espetáculo

A peça reúne os vários personagens que você já viveu. Como você avalia sua carreira até agora?

A ideia de pegar estrada com o espetáculo “Use Me” surgiu justamente da necessidade de fazer esta avaliação. Ao invés de guardar pra mim esse processo de rever toda a minha trajetória, eu divido a experiência com a plateia. E isso tem trazido, até para mim, um retorno sem precedentes.

Com tantos personagens no currículo, como surgiu a ideia de juntá-los em um só espetáculo?

Mais do que ter a ideia, eu tive a necessidade de dar o próximo passo na minha carreira. Gosto de me sentir desafiado, de escolher um caminho que exija de mim algo além da zona de conforto. Com “Use Me” eu posso depurar toda a minha produção criativa e, junto com o público, promover o insight necessário para encontrar um novo caminho para seguir em frente.

Cena do espetáculo "Use Me". Crédito: Divulgação do espetáculo

Cena do espetáculo “Use Me”.
Crédito: Divulgação do espetáculo

Na peça você também compartilha “o que se passa dentro da sua mente perturbada”, como diz a chamada. Por que você considera sua mente “perturbada”?

Todo artista sofre de inquietações. É justamente esta perturbação que me move enquanto ator, comediante e autor. O processo de elaborar toda esta bagunça que mora na minha cabeça tem como resultado os personagens que criei.

Como foi criar o espetáculo com a direção de Rafael Queiroga?

Minha relação com o Queiroga extrapola a simples parceria profissional. Nossa amizade vem de longa data e trabalharmos juntos se deu de forma natural. Foi um processo orgânico que acabou tomando forma. Trabalhar com amigos é a melhor coisa possível.

Cena do espetáculo "Use Me". Crédito: Divulgação do espetáculo

Cena do espetáculo “Use Me”.
Crédito: Divulgação do espetáculo

A estreia nacional da peça aconteceu em Fortaleza, no mês passado. Por que você optou em estrear a peça no Nordeste, em vez do eixo Rio-SP?

Por mim, eu estrearia em todas as cidades do Brasil ao mesmo tempo. Minha relação com o público de Norte a Sul do país é muito incrível. O que determina o começo de uma temporada é a disponibilidade de pauta dos teatros. Este ano começamos em Fortaleza, mas espero levar o “Use Me” a todo país.

Como é sua relação com o Nordeste? Quais são as expectativas para a apresentação no Recife?

O público nordestino é extremamente caloroso. Sempre faço questão de retornar ao Nordeste com meus espetáculos. Recife é um destino certo. Uma cidade da qual só tenho boas lembranças. Quando estive com o “Minhas Sinceras Desculpas” na cidade, lotamos três sessões de duas mil pessoas cada. Tenho um amor muito grande por esse retorno todo.

Author: Beatriz Pires

Share This Post On