A tecnologia nas campanhas eleitorais

Joaquim de Arruda Falcão/Divulgação

Joaquim de Arruda Falcão/Divulgação

 

O aparato tecnológico utilizado pelos candidatos na campanha eleitoral de 2014 trouxe novos desafios à legislação, aos partidos e à imprensa. Robôs para multiplicação de posts nas redes sociais, conteúdo feito para “viralizar”, novas plataformas como whatsapp e a repercussão veloz de debates e declarações juntaram-se a antigas questões, como o financiamento público ou privado de candidatos, que mostram a importância do debate em relação à reforma eleitoral no país. O livro “Reforma eleitoral no Brasil – Legislação, democracia e internet em debate”, organizado pelo jurista e professor pernambucano Joaquim Falcão, aprofunda esses e outros temas urgentes dessa agenda que todos entendem necessária, embora envolta em polêmicas.

“Tudo indica que estamos vivendo o momento oportuno para configuração de acordos políticos estratégicos, capazes de conquistar a legitimidade, até então ausente, para sua conscientização”, escreve Falcão na apresentação. A obra compila 15 artigos de diversos especialistas sobre as tecnologias dos sistemas de votação, a estrutura e funcionamento do TSE, análises comparativas das eleições brasileiras com as de países como França e Estados Unidos, entre outros temas.

O livro surgiu de uma parceria entre a FGV Direito Rio e o jornal O Estado de São Paulo para a criação de um blog que cobrisse as eleições gerais de 2014, publicando entrevistas, análises e vídeos sobre os debates relacionados à legislação eleitoral e às estratégias de comunicação nas campanhas dos candidatos, sobretudo na internet.

Author: João Alberto

Share This Post On