Uma vitória sensacional de alunos de escola municipal do Recife

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

 

Pouco mais de um ano e meio depois da Prefeitura do Recife implantar o Programa Robótica na Escola, os alunos da rede municipal de ensino do Recife foram campeões da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR), ontem em Uberlândia, Minas Gerais. Os três estudantes do 9º ano da Escola Municipal Rodolfo Aureliano foram os únicos representantes de Pernambuco entre as dez equipes que chegaram à final do nível 1 (Ensino Fundamental).

Com a vitória, Maryllia Willyane Félix, Emerson Almeida e Gabriel Loureiro, todos com 14 anos, ainda se classificaram para a RoboCup – campeonato internacional que será realizado no próximo ano, na Alemanha. O trio estava competindo com outras 39 equipes de todo o Brasil. Este ano, 88 grupos disputaram a fase nacional da OBR, sendo 40 do nível 1 e 48 do nível 2 (Ensino Médio). Na primeira fase, nas etapas práticas regionais, mais de 1.800 equipes de todo o Brasil participaram da OBR, que é uma das olimpíadas científicas mais importantes do País e recebe o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

 

O prefeito Geraldo Julio,  disse estar muito orgulho dos estudantes. “Estamos todos muito felizes com esse resultado. O programa Robótica nas Escolas tem melhorado o aprendizado dos nossos alunos, deixando a escola mais atraente, diminuindo a evasão e agora transformando os estudantes da rede municipal do Recife em campeões brasileiros de robótica. Isso mostra que estamos no caminho certo. Com a robótica como disciplina obrigatória, nossos alunos têm mais oportunidades e no futuro vão concorrer de igual para igual no mercado de trabalho. Estou muito orgulhoso. Maryllia, Emerson e Gabriel, além dos professores Cid Espíndola e Juliana Borges, toda a equipe está de parabéns”, destacou o prefeito Geraldo Julio, que afirmou que vai recepcionar Maryllia, Emerson e Gabriel amanhã à noite na chegada ao Recife.

O robô de peças Lego que eles montaram e programaram teve oito minutos para fazer o percurso determinado, desviando dos obstáculos, subindo e descendo rampas, entre outros desafios, até chegarem às vítimas (representadas por pequenas bolas) e conseguirem resgatá-las. No sábado, eles ainda passaram por uma entrevista em que tinham que explicar aos juízes cada detalhe do robô.

Autor:: João Alberto

Compartilhe este post sobre