“Não tinha urgência em fazer nada, fui deixando as coisas fluírem e as músicas surgiram”, disse Maria Gadú

Maria Gadú é uma daquelas artistas que possui uma voz calma e tranquila, tanto nas músicas quanto no dia-a-dia. o Blog João Alberto conversou com a cantora, que está trazendo para o Recife o show do seu novo disco, intitulado Guelã. A apresentação acontece nesta sexta-feira, às 21h, no Baile Perfumado. Nosso bate-papo aconteceu algumas horas antes dela embarcar para a cidade, enquanto fazia faxina em casa, quer algo mais natural que isso? A conversa toda foi sobre o novo trabalho, que foi lançado após um período de quatro anos sem nenhuma novidade. Confira:

Maria Gadu - Crédito: Reprodução do Flickr

Maria Gadu – Crédito: Reprodução do Flickr

1-Antes de lançar Guelã você teve uma pausa de quatro anos sem produzir nada. Por que a demora em trazer material novo para os seus fãs?
porque eu acredito que todas as coisas tem o seu tempo. Eu não estava pronta para produzir nada, não queria que as músicas fossem um produto, se eu não tinha o que dar para as pessoas não ia lançar nada. Para mim isso não é certo, não queria virar uma máquina de entretenimento que lança as coisas sem estar feliz com isso.

2-Como foi o processo de composição desse álbum?
Foi normal. Esse é um álbum bem autoral, sabe? As músicas falam de coisas e momentos que eu estou vivendo.  As canções foram escritas ao longo de muito tempo. Posso dizer que elas foram produzidas ao longo desses quatro anos que não divulguei nada. Não tinha urgência em fazer nada, fui deixando as coisas fluírem e as músicas foram surgindo. Eu senti que tinha que ser assim, na calma, e fui deixando acontecer.

3-O que você experimentou de diferente para criar o álbum?
Muita coisa, muita coisa mesmo! Acho que o mais importante foi estudar como tocar guitarra. Não tinha nenhum grande conhecimento sobre o instrumento e neste álbum ele foi muito importante. Outra coisa foi que eu nunca tinha produzido um álbum meu, já tinha trabalhado com outras pessoas, mas nunca tinha me dedicado inteiramente ao meu, então foi algo bem diferente e gostoso de fazer.

Maria Gadú. Crédito: Moove Comunicação / Divulgação

Maria Gadú.
Crédito: Moove Comunicação / Divulgação

4-Para você, qual a canção mais fácil de compor?
Normalmente eu já penso nas minhas musicas meio prontas, sabe? Eu componho letra e música tudo junto e de forma expontânea, então não tem uma que é mais fácil ou não. Tem uma que eu gosto bastante, porque escrevi em Paris junto com dois amigos. É a canção Semi Voz, ela é linda e eu gostei muito de trabalhar com os caras. Música é uma profissão de troca, é sempre bom trabalhar com outras pessoas.

5-Como é composto o show que vai acontecer no Baile Perfumado?
O show é basicamente composto de luz e som. É uma coisa simples para que as pessoas possam aproveitar a música, para que ela seja livre, assim como o CD. Vamos tocar todas as músicas do disco e algumas antigas, mas com uma roupagem nova, com outros arranjos, uma delas é a Ne Me Quitte Pas. A banda também é nova, somos em quatro no palco agora.  É um show simples que vai levar a música aos fãs.

Créditos: divulgação

Créditos: divulgação

6-Como é a sua relação com o público pernambucano?
Eu sou muito apaixonada pelo público pernambucano, nós temos uma sintonia muito legal! Eu lembro que um dos primeiros lugares que apresentei meu primeiro disco foi ai em Recife. Paulinho Moska me convidou para abrir um show que ele fez no Teatro Guararapes, na hora eu fiquei bem tensa né, se apresentar em um teatro cheio, levando meu trabalho pela primeira vez, mas foi uma coisa tão incrível, fui tão bem recebida, que começou o meu caso de amor com o público dai. Já toquei no Carnaval da cidade e tudo mais, adoro Recife.

7- Algumas horas antes da apresentação vai acontecer o lançamento do livro da sua mãe, qual o sentimento por estar lançando na cidade o seu CD e acompanhar o lançamento do livro da sua mãe?

É muito legal poder viajar com ela e participar desse momento. O livro da minha mãe é muito lindo! Ela escreve coisas maravilhosas sobre estar vivo, sobre suas crenças, é uma obra incrível. O público pernambucano está interagindo bastante com ela e tenho certeza que muita gente vai aparecer para o lançamento, vale muito a pena! Eu não sei se vou poder estar junto na hora, já que o evento é na hora em que passamos o som, mas tenho certeza que vai ser muito sucesso! É muito bom estar na companhia dela.

Neusa Maria e Maria Gadu Crédito: Divulgação da artista

Neusa Maria e Maria Gadu
Crédito: Divulgação da artista

 

Autor:: Taís Machado

Compartilhe este post sobre