Armínio Fraga e a crise brasileira

Joaquim Levy/Divulgação

Joaquim Levy/Divulgação

 

Segundo o ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga, ontem, na Folha de São Paulo, o Brasil caminha para o “caos profundo” se não mudar de rota. O PT já desperdiçou sua chance e o impeachment —desde que dentro das regras— seria uma solução para destravar a crise

No curto prazo, todos os seus cenários são sombrios: o desemprego vai piorar, a inflação corre o risco de desgarrar-se na esteira do dólar, que ainda pode subir.

Para o economista, o país ainda não está barato o suficiente para compensar o risco de investir e, mesmo superada a crise atual, o crescimento não volta se não for equacionada a dívida pública.

Em duas horas de entrevista, as palavras “crise”, “buraco” e “dívida” foram citadas 4 vezes cada uma, e 12 vezes falou-se de “problemas” —entre os principais, Estado inchado e produtividade baixa.

Foram 12 também as menções a “reformas”, única saída sustentável na avaliação de Fraga: “Ou vamos mergulhar no caos profundo. É disso que estamos falando. Não é uma aspirina e um suco de laranja que vai resolver.”

O economista, um dos formuladores do programa do candidato tucano Aécio Neves em 2014, foi incisivo sobre a necessidade de mudança política. “Chegou a hora. O PT fez essa lambança toda, imperdoável”, afirmou, ao defender “uma nova liderança”.

“Pessoalmente, preferia que fosse o PSDB, mas pode ser qualquer outra, desde que seja moderna.”

Sem pronunciar nem uma vez o nome da presidente Dilma Rousseff —substituído por “ela”, “a chefe dele [Levy]” e “para quem ele trabalha”—, Fraga diz que, apesar da atual crise política, existe uma janela para reformas mais amplas.

“Pode-se chegar a um ponto em que o medo domine e, se houver um mínimo de dignidade política e diagnóstico, pode ser que comece o processo.”

Um “bom sinal”, para ele, foi a apresentação pelo PMDB do documento “Ponte para o Futuro” (lançado em 29/10). O PMDB, aliás, foi citado pelo economista mais vezes que os tucanos: 3 X 2.

“Temos que mostrar que uma alternativa mais transparente e mais liberal, com um Estado melhor, é muito mais progressista que o que tivemos aqui. O modelo atual é um modelo saturado, um Estado que no fundo não atende aos mais pobres. Eles foram beneficiados, sim, com melhorias importantes, mas há um dinheiro enorme indo para outros lugares e sendo desperdiçado. Essa é uma boa briga política.”

À mesa de almoço improvisada numa sala de reuniões da Gávea Investimentos, empresa que ele e seus sócios acabam de recomprar do JP Morgan, Fraga afirma que ainda não se “desintoxicou” da “nojeira” da campanha eleitoral e prefere não pensar na possibilidade de voltar à vida pública.

Usando várias vezes o termo “cardápio” para suas propostas de reforma (leia quais são ao final deste texto), ele elogia a comida preparada pela cozinheira de sua casa, que chega em malas térmicas: salada de alface com abacate, arroz integral, feijão, farofa com cebola, frango

Autor:: João Alberto

Compartilhe este post sobre