Thiaguinho comenta sobre seu novo DVD “Vamo Que Vamo”

Por Juliana Freire

Thiaguinho - Crédito: Multishow/Divulgação

Thiaguinho – Crédito: Multishow/Divulgação

De sorriso aberto e brilho nos olhos. Foi assim que o cantor Thiaguinho desembarcou na sede da Rádio Clube FM, na tarde desta terça- feira, para divulgar o seu segundo DVD, Vamo Que Vamo, gravado recentemente no Rio de Janeiro, com previsão de lançamento para o dia 15 de maio. O pagodeiro participou de um bate-papo no Programa da Gaby Pontes e depois recebeu as fãs para fotos e autógrafos. Confira uma entrevista exclusiva com o cantor durante sua passagem pelo Recife:

Qual a principal mudança na gravação deste novo DVD em relação ao seu último álbum gravado, intitulado Ousadia e Alegria?

Muita coisa diferente. Precisava de algo maior, mais impactante. O Vamo Que Vamo teve um caráter mais informal, gravado em clima de roda de samba. Musicalmente, a bateria é mais leve.

O novo DVD traz regravações de músicas de outros artistas, como foi o critério para escolher as faixas?

Basicamente,escolhi as músicas que eu gosto de cantar e que cresci ouvindo. Busquei muito como referência aquela galera do anos 90 como as bandas Só Pra Contrariar, Sensação, Que Loucura, os Morenos e Soweto. Decidi cantar as músicas que eu cantaria em um churrasco, que é bem o clima do projeto Tardezinha, que gravei na Ilha da Coroa, na Barra da Tijuca.

Após 4 anos de carreira solo, você poderia apontar as melhores experiências da sua carreira?

Foram muitos momentos maravilhosos, mas cantar com Roberto Carlos foi especial. Apresentar o Música Boa Ao Vivo também. De tudo isso, lembro principalmente do carinho do público, inclusive o pernambucano, no momento em que eu estava partindo para a carreira solo, precisava bastante desse voto de confiança e meus fãs me apoiaram bastante.

O que os fãs pernambucanos podem esperar do show Especial de 30 anos do Exaltasamba?

Vai ser um prazer voltar a um lugar que sempre recebeu muito bem a mim, Péricles, Chrigor e ao Exaltasamba. Vale apena lembrar que essa apresentação não é o retorno da banda, é só uma forma que a gente encontrou de matar a saudade e de juntar três gerações do Exalta no mesmo palco.

Qual a música que não pode faltar no seu repertório?

Com certeza Caraca Moleque!. Até hoje, em qualquer lugar que eu vou, aparece alguém para falar comigo cantando o refrão da música.

Sua esposa, Fernanda Souza, é muito ativa nas redes sociais e costuma postar vídeos praticando atividade física. Com a agenda de shows apertada, como você faz para manter a forma?

Gosto bastante de me exercitar, mesmo não tendo muito tempo pra isso. Assim que encontro um espaço na agenda, faço algum tipo de exercício. Também comecei a me alimentar melhor, porque nesse ritmo de shows eu só comia besteira, com isso acabei ficando fraco, contraindo pneumonia em 2013.

Vocês já pensam em ter filhos?

Agora não. A gente está sentindo uma pressão, mas quando chegar o momento, eu e a Fernanda vamos ter sim.

Quando partiu para a carreira solo, qual foi seu maior medo?

Foram tantas coisas positivas nessa experiência que eu não consigo lembrar de medo. A minha carreira solo é uma continuidade de tudo. Continuo sendo o mesmo cara, o mesmo profissional. Seria injusto com  o meu sonho, minha história e com o meu público dizer que senti medo. Encaro tudo com paixão.

 

 

Author: Tatiana Sotero

Share This Post On