Um dia quente em Brasília

Waldir Maranhão/Ag. Câmara

Waldir Maranhão/Ag. Câmara

A decisão do presidente interino da Câmara, deputado Waldir Maranhão de anular a votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff realizada na Casa dia 17 de abril, acolhendo pedido feito pelo advogado-geral da União, José Eduardo Cardoso, virou tudo de cabeça para baixo. Tudo foi decidido no domingo num encontro na casa do pernambucano Sílvio Costa, com Waldir Maranhão, José Eduardo Cardoso e Flávio Dino, governador do Maranhão. Á tarde, o presidente Renan Calheiros decidiu que não aceitaria a suspensão do processo pedido por Maranhão. Que, aliás, parece muito, como lembrou José Simão com o deputado Tiririca. Agora ele pode ser expulso do PP e responder a processo na Comissão de Ética da Câmara. Sem falar que está envolvido na Lava Jato

 

Autor:: João Alberto

Compartilhe este post sobre