Uma homenagem de arrepiar

O estádio superlotado/Reprodução

O estádio superlotado/Reprodução

Poucas vezes na minha vida assisti a um evento tão emocionante quanto a homenagem que o Atlético Nacional da Colômbia prestou às vítimas do acidente aéreo com a delegação do Chapecoense e jornalistas. Mais de 40 mil pessoas, a grande maioria usando branco, superlotou o estádio Atanasio Girardot, exatamente no horário em que deveriam estar jogando pela decisão da Copa Sul-Americana, Chapecoense e Atlético Nacional.

Outras milhares de pessoas, segundo o canal Telemedellín, ficaram do lado de fora do estádio e acompanharam a cerimônia por telões. Durante um minuto de silêncio, os expectadores também acenderam seus celulares.

O ministro de Relações Exteriores do Brasil, José Serra, que representava o presidente Michel Temer, fez um discurso emocionado, em que agradeceu a solidariedade do povo colombiano. “Muito obrigado Colômbia. Nesses momentos de grande tristeza imensa para as famílias, para todos nós, as expressões de solidariedade que aqui encontramos, aqui no Atanasio Girardot, nos oferecem um grau de consolo imenso. Uma luz no escuro quando todos estamos tentando compreender o incompreensível”, disse Serra.

“Não nos esqueceremos a forma como os colombianos sentiram como seu o terrível desastre que interrompeu o sonho desse time herói da Chapecoense. Uma espécie de conto de fadas com final de tragédia”, afirmou, acrescentando que o país também não esquecerá a postura do Atlético Nacional de pedir que o Chapecoense seja declarado campeão da copa Sul-Americana.

Juan Carlos de la Cuesta, presidente do Atlético Nacional, prestou sua solidariedade às famílias de todas as vítimas e pediu união no futebol. “Hoje é um momento para convidar à reflexão, a saber que o mais importante é a vida, a saber que a união, a convivência, a convivência no futebol… Se não temos clubes rivais não há futebol, se não temos torcidas rivais, não há festa no futebol. Convidamos para que esse seja o momento para que haja união e convivência no futebol, é o que queremos todos nós”, disse.

Também falaram outras autoridades, como o presidente da Conmebol, Alejandro Dominguez; o diretor técnico do Atlético Nacional, Reinaldo Rueda; o prefeito de Medellín, Federico Gutiérrez; o governador de Antioquia, Luis Pérez Gutiérrez. Diante de todo um estádio em silêncio apresentadores leram os nomes das vítimas e dos sobreviventes.

Ao final, crianças entraram ao campo com balões brancos e os soltaram enquanto os apresentadores liam os nomes das 71 vítimas. Da arquibancada, o público jogou flores no campo. As traves estavam deitadas, com flores. No centro do gramado, uma coroa de flores gigantes e os escudos dos dois times. (Com informações do G1)

O emocionado discurso do ministro José Serra

O emocionado discurso do ministro José Serra

Autor:: João Alberto

Compartilhe este post sobre

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*