Polícia do Rio está nos estúdios do Big Brother Brasil e participante Marcos pode ser enquadrado pela Lei Maria da Penha

Crédito: Reprodução/Twitter

Crédito: Reprodução/Twitter

Depois da divulgação de cenas em que o participante do Big Brother Brasil Marcos Harter discute com Emilly, segura o braço da companheira de confinamento com força e a impede de falar, internautas e família da sister ficaram extremamente indignados. Na manhã desta segunda-feira, 10 de abril, a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher de Jacarepaguá registrou a ocorrência contra o competidor e deu início às investigações do caso. A polícia do Rio está nos estúdios do programa para ouvir o depoimento de Marcos.

A delegada Márcia Noeli, diretora da Divisão de Atendimento à Mulher, mandou instaurar inquérito para apurar se houve lesão corporal quando a estudante afirma que ele estava apertando o seu pulso e beliscando, ainda nesta manhã.

Crédito: Reprodução/Twitter

Crédito: Reprodução/Twitter

“A princípio, quando eu comecei a ver os vídeos, identifiquei a questão da violência psicológica. A delegada Viviane Ferreira, também da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher de Jacarepaguá, está lá para identificar se a agressão vai além da psicológica e se trata de caso de lesão corporal”, informou a delegada. O órgão também solicitou à emissora as imagens do programa do último domingo.

Crédito: Reprodução/Twitter

Crédito: Reprodução/Twitter

Segundo Márcia Noeli, a Polícia Civil já está dando entrada nas medidas protetivas cabíveis e analisando a possibilidade de realizar o exame de corpo de delito para constatar a possível lesão corporal. Marcos poderá ser enquadrado pela Lei Maria da Penha, caso seja confirmada a lesão corporal. Nesta situação, a polícia tem autonomia independente da vítima prestar queixa contra o agressor.

Lesões corporais, ameaças por palavras, escrita ou gestos e estupro são crimes contra a mulher, de acordo com o Código Penal Brasileiro. E a Lei Maria da Penha diz que outra pessoa que não a vítima pode denunciar o agressor às autoridades. O número da Central de Atendimento à Mulher é 180 e funciona 24h.30

Author: Júlia Molinari

Share This Post On