Aumento da violência em Pernambuco é destaque na Folha de S. Paulo

A chamada na capa fala de "Hellcife" - Crédito: Reprodução/Folha de S.Paulo

A chamada na capa fala de “Hellcife” – Crédito: Reprodução/Folha de S.Paulo

Pernambuco recebeu destaque na edição deste domingo do jornal Folha de S. Paulo. Infelizmente, o motivo foi negativo: o aumento de 47% do número de assassinatos – entre janeiro e fevereiro deste ano, em comparação a 2016 – no estado. Na capa da publicação, a matéria aparece com a chamada Hellcife, uma mistura dos nomes da capital pernambucana e “hell”, que significa inferno, em inglês.

Na matéria, os jornalistas Leandro Machado e Danilo Verpa detalham a escalada na violência em Pernambuco e comparam com São Paulo. Nos dois primeiros meses de 2017, Pernambuco registrou 974 homicídios enquanto São Paulo, que tem a população quatro vezes maior, teve 622. Também citam os assaltos a ônibus, que passam de 1000.

A reportagem afirma que Pernambuco regrediu 10 anos no combate à violência e fala sobre a perda de força do programa Pacto Pela Vida, iniciado pelo ex-governador Eduardo Campos, em 2007. Entre os motivos para a situação, também são apontados o tráfico de drogas e os grupos de extermínio, muitos comandados por ex-policiais.

Polícia Militar - Crédito: Julio Jacobina/DP

Polícia Militar – Crédito: Julio Jacobina/DP

A operação padrão da Polícia Militar, que está em vigor desde dezembro, é citada pelo Governo do Estado como um dos motivos do aumento dos assassinatos. “Tivemos paralisações brancas da Polícia Civil, da Científica e, depois, da Polícia Militar. Evidentemente, isso traz um custo operacional.”, afirmou ao jornal Antonio Gioia, secretário de Defesa de Pernambuco. O governador Paulo Câmara se recusa a negociar com as associações de policiais.

O secretário também diz, porém, que o Pacto Pela Vida segue como forma de diminuir a violência, e estão sendo feitos “ajustes e correções”. Paulo Câmara anunciou, na última semana, investimentos e contratação de novos policiais para ajudar na segurança pública.

Share This Post On