Bruna Peixoto e Camila Puntel guardam histórias em um balaio mágico

As contadoras de histórias Bruna Peixoto e Camila Puntel dão vida ao Tapete Voador – Crédito: Gabriel Melo/Esp. DP

Ouvir uma história, contar, recontar. Nesse mesmo ritmo e tom, é possível refletir sobre encontros inusitados e o surgimento de algo mágico. Essa é uma das missões de Bruna Peixoto e Camila Puntel, do grupo Tapete Voador, que propõem a mistura de contação de história, música e arte em um universo infantil. Na brincadeira, máscaras, panos, bonecos de pano e até mesmo objetos comuns, como colher de pau e instrumentos musicais viram personagens. É uma aventura que provoca as crianças a amadurecer a vontade pela leitura, eleva o prazer em querer compartilhar boas histórias e, de quebra, envolve a família toda. 

Crédito: Gabriel Melo/Esp. DP 

O Tapete Voador e o público se reconhecem entre a alegria, interação e encantamento. O espaço da diversão é para todas as idades e cada um pode interagir de uma forma diferente.”Os mais novos adoram as historinhas cantadas e contadas com bonecos, brilhos e coisas que chamam atenção. Já os maiores são super fãs de lendas e qualquer tipo de história que dê medo. Até os adultos ficam hipnotizados com as histórias, é muito divertido.” Camila conta que fica todo mundo tão imerso na brincadeira que no final querem levar os instrumentos e adereços embora com eles. “Uma vez tivemos que parar a história para pegar o agogô de uma criança que saiu correndo com ele e íamos usar  logo em seguida”, revela. 

Bruna Peixoto – Crédito: Gabriel Melo/Esp. DP

Bruna Peixoto trabalha com crianças desde 2008, ministrando aulas de musicialização. Em cada nota, uma descoberta. Em cada gesto sonoro, uma nova conquista. É assim que ela costuma guiar o ofício. “Eu sou daquelas professoras que chora nas apresentações dos alunos e que comemora cada evolução”, revela. Essa paixão encontrou espaço na rotina da sua parceira e sócia no projeto Tapete Voador, Camila Puntel. A relação dela com o segmento remete à fase da adolescência, período em que ela adorava estar perto, ensinar e contar histórias para crianças. 

Crédito: Gabriel Melo/Esp. DP

Juntas, elas formaram o grupo Tapete Voador, voltado para o diálogo entre a contação de histórias, a música e a arte de interpretar. No repertório: lendas, mitos e contos do mundo. Tudo fica guardado dentro de um Balaio Mágico e as histórias só são libertadas quando o público encontra as palavras mágicas. “Nosso trabalho, ou melhor, ofício é coletar histórias de diferentes origens e diferentes tipos e espalhar essa literatura para todo o público”, explica Camila. As duas já somam seis anos de trabalho, espalhando a magia da contação de histórias pelo Brasil.

Bruna e Camila com os filhos – Crédito: Gabriel Melo/Esp. DP

O trabalho das duas é permeado pela influência dos filhos, desde a escolha do figurino, as críticas e o incentivo na carreira deles que são eles a inspiração e os primeiros ouvintes. Bruna tem um filho de oito anos, Theo, que hoje em dia já toca violão com ela. “Ele aprendeu de uma forma muito natural, foi uma coisa dele e ele adora”, explica. Além do Tapete, Bruna também é professora na escola que o filho estuda. “A participação dele nessa rotina também é muito legal porque ele me ajuda com os alunos iniciantes. É como um monitor”, finaliza.

Camila Puntel – Crédito: Gabriel Melo/Esp. DP

Camila é mãe de duas meninas, Lana de 4 anos e Poliana de 8. Ela conta que no início era um desafio para as meninas compreenderem os fins de semana longe de casa e  o trabalho desempenhado por ela. “Elas perguntavam: “Por quê você tem que ensaiar tanto?” Aquela dor de partir o coração acompanhou a contadora de histórias por muito tempo e chegou a sentir que não tinha tempo de folga com elas. “Mas depois de um tempo tudo se organizou, elas foram crescendo e entendendo. Hoje me dão muito apoio”, completa. Camila agradece também o apoio que recebe do marido.

Crédito: Rabixco/Divulgação

Agora, o Tapete Voador pretende lançar um CD com músicas autorais e apresentar a contação de histórias do grupo até as escolas do interior do Estado de Pernambuco. Outro projeto que a Bruna e Camila esperam tirar da gaveta é a proposta de levar os contos indianos e mantras em apresentação para o público adulto.

Author: Juliana Aguiar

Compartilhe este post

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.