Coquetel Molotov promove série de debates virtuais

Ali Prando será um dos convidados do projeto Call Center. Foto: Divulgação

O artista Aslan Cabral é quem está à frente da curadoria de uma série de debates virtuais promovidos pelo Coquetel Molotov a partir desta semana. O primeiro talk do projeto, que foi intitulado Call Center, vai ao ar nesta quarta-feira, às 20h, na plataforma Sympla Streaming, com representantes das revistas Philos e Propágulo.

Confira a programação do projeto:

CALL CENTER – 03 de Junho – 20h
Participantes: Revista Philos e Propágulo
A Revista Philos – a revista das latinidades, transforma as afinidades literárias, históricas e culturais em instrumentos de cooperação, partilha e democratização de nossa latinidade. Uma latinidade ativa encoraja o intercâmbio entre pessoas e favorece o diálogo sobre as nossas origens comuns, permitindo o reconhecimento de nossas perspectivas culturais. A Propágulo é uma plataforma pernambucana e independente sobre artes visuais, que busca adensar os debates que atravessam novos artistas e realizadores das artes no estado.

CALL CENTER – 10 de junho – 20h
Participantes: Senta e Pantynova
Senta Mesmo é um canal dedicado a discutir pautas que são tabus sociais e são parte intrínseca do desenvolvimento e relações humanas. O terreno onde o mesmo se discute é baseado nas questões e conversas cotidianas que englobam o prazer. Os objetivos são de informar, elucidando dúvidas e discussões e falar de forma descontraída de tabus do prazer de forma aberta e ampla, como deve ser. Pantynova é um e-commerce de produtos eróticos voltado exclusivamente ao prazer feminino. Lançado em abril de 2018 pela artista plástica Heloisa Etelvina e a designer de moda Izabela Starling, a marca comercializa produtos e promove conteúdos para quebrar o tabu da sexualidade feminina e estimular o prazer da mulher.

CALL CENTER – 17 de junho – 20h
Participante: Ali Prando (Politizando Beyoncé)
Filósofo, Ali Prando é pesquisador pelo CNPq com as temáticas de gênero, sexualidade e feminismo através de perspectivas butlerianas. Em seu histórico estão participações nos festivais Mix Brasil, Path, WHOW! e MECA, além de espaços como Tapera Taperá, Museu da Imagem e do Som de São Paulo, Museu da Diversidade Sexual, Unibes Cultural, unidades do Sesc em São Paulo e universidades ao redor do país. Também criou o curso ‘Björk: Paradigmas do Pós-humanismo.exe”, incluído na exposição internacional Björk Digital durante sua passagem pelo país.

Author: Larissa Lins

Compartilhe este post

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.