Titãs, heróis e vilões tomaram conta da Sala da Justiça

Selo_carnaval_2014

A criatividade dos pernambucanos pôde ser comprovada no Pavilhão do Centro de Convenções, onde a irreverência predominou na 19º edição do Enquanto Isso na Sala da Justiça. Personagens famosos de desenho, histórias em quadrinho, filmes e princesas da Disney sairam do armário, na noite de sábado, procurando aquecer para a folia de Momo. Mais que consumada no calendário de prévias da cidade, a festa teve shows da Academia da Berlinda, Titãs e Eddie.

,Adriana Pires e Laila Guerra. Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

,Adriana Pires e Laila Guerra. Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

 Rodrigo Brito e Luize Oliveira.  Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

Rodrigo Brito e Luize Oliveira. Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

Cumbia, samba, carimbó e jovem guarda foram os ritmos que abriram a noite, executadas pela banda Academia da Berlinda. Os olindeses colocaram a plateia formada por heróis e vilões ainda tímida para dançar. No repertório, Lua, Fui humilhado, A gringa, Cumbia da praia e Ivete. Mas o grande momento aconteceu quase no final da apresentação, quando os artistas convidaram Lia de Itamaracá para dar uma canja. Não deu outra. O momento animou bastante o público, que dançou ciranda junto com Lia.

Lia de Itamaracá se juntou a Academia da Berlinda e promoveu uma grande ciranda no Cecon  Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

Lia de Itamaracá se juntou a Academia da Berlinda e promoveu uma grande ciranda no Cecon Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

 Karina Coelho e Roberta Silvestre. Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

Karina Coelho e Roberta Silvestre. Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

Encerrada performance de Academia da Berlinda, um vasto número de fantasiados se amontou próximo ao palco para saudar os Titãs. “É um privilégio tocar aqui”, disse Paulo Miklos logo após os roqueiros tocarem as duas primeiras músicas: Lugar nenhum e Aluga-se, em homenagem a Raul Seixas. Eletrizante do início ao fim, o show fez um apanhado dos 31 anos dos Titãs e mostrou o autêntico rock brasileiro para a plateia que estava dividida entre adultos, que acompanham a carreira dos paulistas desde o início, e adolescentes, que cantaram as músicas de olhos fechados. Com anos e anos de estrada, Paulo Miklos, Branco Mello, Sérgio Britto, Tony Bellotto e Mário Fabre mostraram que o tempo foi bondoso com o quinteto e que eles ainda têm fôlego para cativar os mais jovens.

Titãs em ação Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

Titãs em ação Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

Rafael Patu, Hugo Luna, Eduardo Jungmann e Fabio Guerra homenagearam Reginaldo Rossi Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

Rafael Patu, Hugo Luna, Eduardo Jungmann e Fabio Guerra homenagearam Reginaldo Rossi Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

A interação dos músicos com os pernambucanos não poderia ter sido melhor. “Nós somos a banda paulistana mais recifense do Brasil”, declarou Paulo bastante satisfeito com a empolgação dos fantasiados. Foram duas horas de músicas ininterruptas dividas em duas partes: a primeira foi dedicada ao disco de estreia do grupo, Cabeça Dinossauro, lançado em 1986, e contagiou os foliões com Polícia, Bichos escrotos e Família. Já o segundo momento foi recheado com Epitáfio, Diversão e Comida. O auge ficou por conta de Sonífera Ilha.

Titãs Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

Titãs Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

Vanessa e Sandro Braz Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

Vanessa e Sandro Braz Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

Quem ainda teve pique conferiu as batidas de frevo misturada a riffs de guitarra da banda Eddie. Para segurar os foliões até o amanhecer, Fábio Trummer e os integrantes da Eddie receberam convidados de peso: Lirinha, Isaar, Rogerman e a Orquestra Henrique Dias. O resultado? O Pavilhão do Cecon inteiro foi até o chão com os clássicos Pode me chamar, O Baile Betinha, Desequilíbrio e Danada. Nos intervalos, a Orquestra de Frevo circulava pelo espaço, executando as marchinhas que são sucesso no nosso carnaval. Quem também esteve por lá foi Roger de Renor com o seu Som na Rural. Os foliões puderam entrar no automóvel e registar a noite memorável. Confira mais fantasias:

Roger de Renor com o Som na Rural Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

Roger de Renor com o Som na Rural Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

Jessica Lima, Maite Lima e Lotte Kirstein. Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

Jessica Lima, Maite Lima e Lotte Kirstein. Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

Silvia Carol e Vladimir Barros Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

Silvia Carol e Vladimir Barros Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

Geraldina Siqueira e Elielson Damascena Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

Geraldina Siqueira e Elielson Damascena Crédito: Roberto Ramos/DP/D. A Press

Confira as cinco melhores fantasias da festa clicando aqui.

Author: Lais Siqueira

Share This Post On