Não acredito que te beijei lota o Internacional

Por Wagner Oliveira

Nem parecia que o carnaval já havia terminado. Quem esteve na festa do bloco Não acredito que te beijei nesse sábado, no Clube Internacional, ainda tinha muito folego para a folia. A festa que só terminou na madrugada desse domingo reuniu muitas atrações e foliões pra lá de animados. No palco, Marrom Brasileiro, Patusco, Faringes da Paixão, É o Tchan e Banda Kitara fizeram todo mundo dançar. Teve frevo, brega, axé e tudo o que o povo gosta para não ficar parado. Além das atrações já citadas, uma orquestra de frevo o povo relembrar os quatro dias da folia de Momo.

Público não parou de dançar, ainda parecia carnaval. Fotos: ABBC/Divulgação

Público não parou de dançar, ainda parecia carnaval. Fotos: ABBC/Divulgação

O cantor Marrom Brasileiro botou todo mundo pra dançar relembrando sucessos do tempo em que comandava a banda Versão Brasileira. Mudando um pouco o ritmo da festa, a rapaziada do grupo Faringes da Paixão fez o público dançar agarradinho ao som do brega. Mas agitação mesmo foi quando os veteranos Beto Jamaica e Compadre Washington subiram ao palco. Em sua segunda apresentação no Recife neste ano, o grupo É o Tchan tocou todos os sucessos que fez muita gente dançar na década de 1990.

Marrom Brasileiro e Faringes da Paixão se encontraram no camarim

Marrom Brasileiro e Faringes da Paixão se encontraram no camarim

A organização do evento acertou em cheio quando apostou em colocar dois pontos tocando músicas diferentes das que estavam tocando no palco. O espaço onde estava rolando músicas de brega fez o maior sucesso. Apesar de estar divido em três espaços, pista, camarote vip e backstage, o evento parecia estar reunindo todo mundo num único espaço. A alegria e o gingado imperaram durante toda a noite. No meio do salão, ou até mesmo fora dele, era possível ver alguns grupos dançando como se tivessem as coreografias ensaiadas. O tradicional Fusca do bloco Não acredito que te beijei não poderia faltar à festa. Estacionado dentro do Internacional, ele foi bastante disputado para fotografias.

Pau que nasce torto, nunca se indireita. É o Tchan agitou o público

“Pau que nasce torto, nunca se indireita”. É o Tchan agitou o público

Author: Tatiana Sotero

Share This Post On