Chuva atrapalhou desfile das escolas de samba do Rio

Julianna Paes na Viradouro

Julianna Paes na Viradouro

O temporal que caiu no Rio de Janeiro na hora do primeiro dia do desfile das escolas de samba, não tirou por completo o brilho do desfile,mas claro que atrapalhou Muita gente que ia para as arquibancadas e camarotes teve que chegar atrasado. Os convidados do camarote de uma cervejaria tiveram que esperar quase duas horas pelo transporte da área de concentração até o sambódromo.

Já sobre o desfile a bolsa de apostas não se confirmou e Salgueiro –vice-campeã em 2014, mas que neste ano não figurava nas listas de favoritas– despontou como o principal destaque, com um desfile luxuoso sobre a culinária mineira. Outra escola que se apresentou bem e não estava nas “cabeças” foi a Vila Isabel, que homenageou o maestro Isaac Karabtchevsky e a música clássica.

Ambas também foram favorecidas por passar pela avenida na segunda metade do desfile, que aconteceu sem chuva, ao contrário do cenário encontrado pelas três primeiras escolas. O enredo sobre Karabtchevsky permitiu ao carnavalesco Max Lopes criar fantasias e alegorias luxuosas e coloridas. No abre-alas, todo em dourado, vinha o maestro. Outro maestro foi retratado numa alegoria, junto a seu trenzinho caipira: Villa-Lobos.

Última a entrar na Sapucaí, a Grande Rio começou seu desfile com “truques” na comissão de frente, cujos componentes representavam os personagens de “Alice no País das Maravilhas” e foram “cortados ao meio” em determinado momento, virando um par de anões, que dançava junto.

 

Author: João Alberto

Share This Post On