Fenearte aposta em novidades em sua 18ª edição

Fenearte - Crédito: Divulgação

Fenearte – Crédito: Divulgação

Inovação e expansão são as palavras de ordem da 18ª edição da Fenearte em 2017. Este ano, a feira traz o tema A Arte é Nossa Bandeira e acontece entre os dias 6 e 16 de julho, no Centro de Convenções de Pernambuco. Manoel Eudócio e sua família são os grandes homenageados, contando com um estande especial na Alameda dos Mestres. Além dos expositores nacionais, a Fenearte conta ainda com artesãos de 33 países, entre os inéditos Argélia, Bielorrússia e Papua Nova Guiné.

Na coletiva de imprensa realizada nesta quinta-feira, o Secretario de Turismo, Lazer e Esportes Felipe Carreras destacou a qualidade da feira. “A Fenearte nunca perdeu sua essência, mesmo crescendo e se tornando referência mundial. É um evento feito com profissionalismo, integração e paixão. E quando termina, sempre sabemos que ainda pode melhorar”, afirmou. Serão mais de cinco mil expositores, numa área de 30 mil m². A expectativa é que o público que circule pela feira some mais de 300 mil pessoas e movimente R$ 40 milhões. Este ano, o investimento foi de R$ 4,5 milhões, gerando cerca de 2,5 mil empregos temporários.

Thiago Angelus, coordenador da feira, e a mesa composta por Ana Luiza Câmara, Felipe Carreras, Marcia Souto (Fundarpe), Adailton Feitosa (Empetur), Leonardo Cerquinho (AdDiper), Marta Teixeira (Recife Convention Bureau) e Ana Dias (Sebrae) - Crédito: Marília Gouveia/Esp. DP

Thiago Angelus, coordenador da feira, e a mesa composta por Ana Luiza Câmara, Felipe Carreras, Marcia Souto (Fundarpe), Adailton Feitosa (Empetur), Leonardo Cerquinho (AdDiper), Marta Teixeira (Recife Convention Bureau) e Ana Dias (Sebrae) – Crédito: Marília Gouveia/Esp. DP

A grande novidade deste ano é a nova setorização dos estandes. Os expositores individuais de Pernambuco ficarão divididos nas 12 primeiras ruas por tipo de material utilizado: cerâmica, madeira, metal, fibra, pedra, cabaça, vidro, papel, tela, PVC, materiais sintéticos, sabonete, têxtil e couro. Segundo Thiago Angelus, coordenador da feira, essa nova divisão foi um pedido do público e irá facilitar a escolha das obras e comparação dos preços. Os corredores também foram aumentados, de três para seis metros de largura, melhorando o acesso e a circulação das pessoas.

Outra inovação é a saída dos salões de Arte Popular e Arte Religiosa e da Galeria dos Reciclados da área interna. Os espaços estarão na área externa da feira, logo na entrada, reunindo 70 obras cada uma. A curadoria do Salão de Arte Popular é de Carlos Augusto Lira, que também assina toda a arquitetura e cenografia da Fenearte. A Alameda dos Mestres também vem renovada, com 11 novos artistas, somando 63 mestres artesãos.

A Fenearte ainda conta com o Espaço Sebrae; estandes da arte indígena;praças de descanso projetadas por alunos de arquitetura do Recife; Passarela Fenearte, com 16 desfiles de novas marcas e de alunos de faculdades de Pernambuco e associações de mulheres artesãs. Já o Espaço de Interferência Janete Costa, idealizada pelas arquitetas Bete Paes e Roberta Borsoi, conta com uma sala de estar, um quarto do jovem e uma sala de jantar, homenageando Antônio de Dedé, de Alagoas.  O espaço também vai receber o mestre Cornélio, do Piauí, e Gerar, da Bahia. A programação de palestras também foi ampliada, recebendo nomes como Dudu Bertholini. (Veja a programação de palestras abaixo)

Para marcar os 18 anos da feira, também foi montado o espaço Fenearte Memória, que contará com uma linha do tempo com fotos, peças, catálogos e publicidades das edições anteriores do evento. Para garantir a interação do público, haverá um jogo da memória.

Alunos da rede estadual de ensino desenvolveram um aplicativo para a feira - Crédito: Marília Gouveia/Esp. DP

Alunos da rede estadual de ensino desenvolveram um aplicativo para a feira – Crédito: Marília Gouveia/Esp. DP

E encarando de vez a tecnologia, a Fenearte ganhou um aplicativo, resultado de uma parceria da Primeira-dama de Pernambuco, Ana Luiza Câmara, com a Secretaria de Educação do estado. O APP foi desenvolvido por seis alunos do curso de Manutenção e Suporte em Informática da Escola Técnica Estadual Maria José Vasconcelos, em Bezerros. O serviço contará com abas com informações sobre a feira, mapa do evento, galeria com as obras à venda nas galerias e detalhes sobre os artesãos da Alameda dos Mestres. O APP já está disponível para iOS, Android, Windows Phone e é gratuito.

Como não pode deixar de ser, a programação cultural também está recheada. O palco na Praça de Alimentação vai receber uma série de apresentações elaboradas pela Fundarpe, valorizando a cultura pernambucana. Entre as atrações, estão o Maracatu Leão Coroado, Aurinho do Coco, Lia de Itamaracá e Homem da Meia Noite – que se apresenta no último dia de feira. Haverá também apresentações infantis, oficinas gratuitas e palestras.

Homem da Meia Noite. Homem da Meia noite encerra a programação cultural - Crédito: Reprodução/Site Oficial

Homem da Meia noite encerra a programação cultural – Crédito: Reprodução/Site Oficial

O público também ganhou uma nova forma de se locomover até o Centro de Convenções, com um traslados gratuitos saindo do Shopping RioMar, a cada 15 minutos,e o Shopping Tacaruna foi mantido, com saídas a cada 15 minutos. Também será possível comprar os ingressos antecipadamente, no Centro de Artesanato de Pernambuco, e nos shoppings RioMar (loja Riachuelo), Recife (Ticket Folia). Tacaruna (Riachuelo), Guararapes (Ticket Folia) e Boa Vista (Riachuelo).

PALESTRAS:

7/07, 18h
Design e artesanato – Um universo feito à mão – Com Baba Vacaro, designer, curadora e diretora de criação de empresas de design e decoração

8/07 , 11h
Lá e Cá: trocas culturais – Brasil/Moçambique/São Tomé e Príncipe – Com Renato Ambrosi, designer de artesanato

10/07, 15h
Moda, Artesanato e Sustentabilidade – com Dudu Bertholini, estilista, stylist e consultor de moda

11/07, 18h
A Trajetória da Arte Popular em Alagoas – com Maria Amélia Vieira, artista plástica e arte-educadora, e Dalton Costa, artista plástico e curador

12/07, 18h
Nosso jeito de morar – Um novo olhar sobre a arte popular e o artesanato – Com Zizi Carderari, jornalista especialista em design, decoração, arquitetura e estilo de vida

13/07, 18h
Por que juntei tanta coisa? – Com Carlos Augusto Lira, arquiteto e colecionador de arte popular brasileira

14/07, 18h
Música e Cultura Popular – Com Helder Vasconcelos e Silvério Pessoa, músicos

Share This Post On