A espera de Manuela

Crédito: Tatiana Sotero / DP / D.A Press

Crédito: Tatiana Sotero / DP / D.A Press

“Você não sabe o que é ser mãe até se tornar uma”. Nem deve dar para contar a quantidade de mães que já usaram esta frase para os seus filhos. Lá em casa, escutei inúmeras vezes em situações das mais distintas: para justificar uma bronca, um ensinamento ou até aquela dor que doía mais nela do que em mim. De fato, só entendi a minha mãe depois de me tornar uma. Aquela sensação de ter a melhor parte de si fora do corpo só foi possível quando peguei a minha filha no colo. Querer para mim a dor que ela sentia, a virose que pegava, o sofrimento que passava, as lágrimas que escorriam e sentir uma vontade de viver fora do comum. Ah ! A maternidade ! Por isso existe um dia só para lembrar dela: as doçuras, delícias e sacrifícios desta aventura de ser mãe.

Crédito: Tatiana Sotero / DP / D.A Press

Crédito: Tatiana Sotero / DP / D.A Press

Para marcar a data, o Blog e a coluna João Alberto homenageiam estas mulheres através de várias mães da sociedade em momentos bem distintos da maternidade: uma gestante, a mãe de primeira viagem com o seu recém-nascido; a mãe de crianças, de adultos e aquela que assume a responsabilidade de cuidar e amar um filho por adoção. Façamos, assim, um brinde a todas elas !!! Boa leitura !!!

Crédito: Tatiana Sotero / DP / D.A Press

Crédito: Tatiana Sotero / DP / D.A Press

Ela sempre teve um carinho especial por crianças. Adorava o universo infantil, as roupinhas e objetos delicados dos pequenos. Por isso mesmo, a empresária Katarina Gouveia Berardo, de 29 anos, transformou isso num ofício. Em 2012, inaugurou uma loja de roupa de crianças, a Mundo Puppet, e passou a viver “mergulhada” neste mundo que adorava. “Os clientes e amigos sempre me perguntavam se eu não tinha filhos, quando eu teria… “, contou Katarina que só decidiu engravidar no final do ano passado.

theo-31 (Copy)

Crédito: Tatiana Sotero / DP / D.A Press

Crédito: Tatiana Sotero / DP / D.A Press

Crédito: Tatiana Sotero / DP / D.A Press

Dois meses de tentativa e a resposta positiva da sua primeira filha com o advogado André Berardo. “Fiz vários testes de farmácia. O primeiro, positivo. O segundo e o terceiro, negativos”, lembrou a empresária que teve o resultado dos dois últimos testes no dia 3 de janeiro, seu aniversário. “Eu sempre pensei em contar ao meu marido de uma forma diferente, mas estava tão ansiosa que contei de cara para ele”, disse. A intuição e insistência de Katarina levaram a novos testes e um exame de sangue para confirmar que, sim, estava grávida.

Crédito: Tatiana Sotero / DP / D.A Press

Crédito: Tatiana Sotero / DP / D.A Press

O resultado num papel e uma vida inteira transformada em questão de minutos. A pequena Manuela deve nascer apenas em setembro, mas o carinho e expectativa pela sua chegada começaram muitos meses antes. “Hoje em dia, só penso nela. Tudo que faço, vejo e me planejo é para ela”, diz uma mãe emocionada, que, mesmo antes de engravidar, já comprava itens para o enxoval da pequena.

Crédito: Tatiana Sotero / DP / D.A Press

Crédito: Tatiana Sotero / DP / D.A Press

Manuela passou a dar os seus primeiros sinais há duas semanas, quando deu as primeiras mexidinhas na barriga da mamãe. “Fiquei bem parada e concentrada para ter a certeza de que ela era mesma”, recorda Katarina. Na sua rotina, encaixou leituras de clássicos infantis da Disney “ao pé de barriga” e escuta, tantas vezes sentir vontade, a música “Nove meses” de Bárbara Dias: canção de uma criança no ventre para sua mãe. Do lado de cá, Katarina se emociona; de lá, a filha Manu se embala com a melodia.

Crédito: Tatiana Sotero / DP / D.A Press

Crédito: Tatiana Sotero / DP / D.A Press

Crédito: Arquivo pessoal / Divulgação

Mínimos detalhes: foi assim que Katarina e o marido André Berardo comunicaram a chegada de Manuela para os pais. “A sugestão do chef” foi entregue aos avós no Restaurante Ça Va. Crédito: Arquivo pessoal / Divulgação

Enquanto setembro não chega, Katarina faz planos. “Quero que sejamos amigas, que me conte seus segredos, que seja independente”, enumera ela, lembrando do relacionamento que tem, até hoje, com a mãe Tereza. “Ela sempre está pronta para me ouvir. Quando era adolescente, voltava das festas e ia contar a ela tudo o que tinha acontecido. Até hoje, ligo para contar as novidades e, mesmo estando dormindo, acorda e tem a maior paciência do mundo para me ouvir”, recorda. E o detalhe: as conversas são sempre acompanhadas por um carinho gostoso no braço que não param, mesmo com o fim da conversa. Além disso, quando Manu chegar, Katarina planeja: “Quero vê-la, agarrá-la, beijá-la e tê-la o tempo inteiro ao meu lado”.

Katarina e a mãe Tereza. Crédito: Ricardo Nascimento / Divulgação

Katarina e a mãe Tereza. Crédito: Ricardo Nascimento / Divulgação

Crédito: Tatiana Sotero / DP / D.A Press

Crédito: Tatiana Sotero / DP / D.A Press

Crédito: Tatiana Sotero / DP / D.A Press

Crédito: Tatiana Sotero / DP / D.A Press

Autor:: Tatiana Sotero

Compartilhe este post sobre