O brilho do TRF da 5ª Região

Desembargador Federal Marcelo Navarro. Crédito: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

Desembargador Federal Marcelo Navarro.
Crédito: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

 

O Tribunal Regional Federal da 5ª Região – TRF5 recebeu ontem em Brasília, o 1º lugar, na categoria desempenho, do 4º Prêmio IDJus – Índice de Desempenho da Justiça, concedido pelo Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), por ter sido o Tribunal de melhor desempenho funcional do País no ano de 2013, com índice de 64,6, de acordo com um estudo feito pelo IDP. A premiação será entregue ao presidente do TRF5, desembargador federal Marcelo Navarro.

Para Navarro, o reconhecimento é fruto da atuação de todos que compõem a Justiça Federal na 5ª Região: magistrados, servidores, Ministério Público Federal e advogados públicos e privados. “Existe toda uma comunidade jurídica que contribui com o Tribunal para esse sistema jurídico vitorioso, que tem dado aos jurisdicionados dos seis estados que compõem a 5ª Região [Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe] uma Justiça célere, de qualidade e preocupada com os valores humanos e sociais”, avalia.

Segundo o estudo, divulgado em março de 2015 e elaborado com base nos dados do relatório “Justiça em Números”, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) ficou em 2º lugar, com índice de 55,8, e, em 3º lugar, o Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT-Minas Gerais), com índice de 54,6. A pesquisa levou em consideração três dimensões básicas da administração judiciária: gestão orçamentária (despesas e receitas), gestão de recursos (recursos humanos e tecnologia) e gestão de processos (litigiosidade e produtividade).

O 4º Prêmio IDJus integra a programação do 3º Seminário “Desempenho da Justiça: Diagnóstico e Desafios”, evento realizado com o apoio do Centro de Estudos Judiciários do Conselho da Justiça Federal (CJF), que contará com a participação de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e conselheiros do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), entre outras autoridades, para apresentar os resultados em questão e avaliar os indicadores do desempenho como instrumentos de gestão do Poder Judiciário.

Author: João Alberto

Share This Post On