Manu Berger avalia o mercado de luxo no Recife

Manu Berger, especialista em mercado de luxo - Foto: Anna Guimarães/Divulgação

Manu Berger, especialista em mercado de luxo – Foto: Anna Guimarães/Divulgação

Após trabalhar na área financeira de uma das principais organizações empresariais do Sul do país, a catarinense Manu Berger decidiu se reinventar profissionalmente. Manu fez algumas especializações em mercado de luxo em renomados centros de ensino como a Florence University of the Arts, em Florença, e o Instituto Français de la Mode, em Paris. Atualmente, ela comanda o site Terapia do luxo, ministra palestras pelo mundo e assina eventos para marcas como a Cartier e Emporio Armani. Foi nesta última loja que comandou uma sessão de autógrafos do seu novo livro, Entre taças de champagne e cálices de vinho, no RioMar.

Crédito: Arquivo pessoal

Crédito: Arquivo pessoal

Na publicação, que tem prefácio assinado pela jornalista Patricia Carta, a empresária aborda o panorama histórico do luxo, dos primeiros tempos até a atualidade, com enfoque extra no mercado de alto padrão da Itália e da França, e relata tudo que viveu, estudou e conheceu  relacionado às marcas consideradas  mais luxuosas do mundo. Em um bate-papo com o blog, Manu Berger avalia o mercado de luxo diante da crise financeira, a forma de consumo e, sobretudo, o setor em crescimento na capital pernambucana.

Como você avalia o mercado de luxo diante da crise financeira?

O ano de 2016 realmente não foi positivo para as principais marcas do setor. Poucas foram as empresas que tiveram resultados a serem comemorados. A crise financeira associada à instabilidade política que o país atravessou no ano passado teve um impacto real sobre as vendas e o consumo do setor.

As pessoas mudaram a forma de consumo?

Estamos vivendo um momento de mudança. Há alguns anos acumular bens era uma tendência, atualmente há mais valor na experiência que um produto pode agregar do que unicamente na sua posse. De forma geral, acredito que estamos caminhando para um consumo mais sustentável.

Qual a diferença entre a forma de consumo experimental e físico? E como isso afeta as pessoas de alto poder aquisitivo?

O consumo experimental está relacionado diretamente com as emoções e os sentimentos. Por exemplo, conhecer de fato uma cidade não significa apenas se hospedar no hotel mais famoso e, sim, entrar em contato com as pessoas, com a gastronomia, com a cultura e a história da região. Acredito que esse consumo está se disseminando entre as pessoas de alto poder aquisitivo, mas, também, de uma maneira mais ampla, em outros públicos também.

Qual o principal desafio das marcas de luxo diante do consumidor brasileiro?

O principal desafio das marcas é justamente entender que o comportamento do consumidor brasileiro é diferente de outros mercados. O cliente brasileiro, por exemplo, gosta de sentir o produto, de ter um contato mais pessoal. E isso difere de alguns mercados mais tradicionais. Essa percepção das particularidades do cliente brasileiro é fundamental para o sucesso das marcas de luxo no país.

O Brasil teve um boom de inauguração de lojas e flagships internacionais nos últimos anos. Recife atraiu algumas delas. Como você avalia a presença deste segmento na cidade?

O Brasil é um mercado que atrai cada vez mais as marcas e empresas ligadas ao segmento de luxo. E, é claro, que nosso país vai muito além do eixo Rio-São Paulo. Acredito que Recife se enquadra nesse cenário justamente como uma das principais cidades do nordeste brasileiro e, por isso, um mercado amplamente instigante para as empresas que atuam no setor de alto padrão.

Crédito: Anna Guimarães/Divulgação

Crédito: Anna Guimarães/Divulgação

Recife está preparada para o mercado de luxo?

A realidade de Recife, de maneira geral, é semelhante a muitas regiões do Brasil. Se por um lado existe uma atividade turística destacada, um comércio forte e um amplo mercado consumidor, por outro é preciso também investir na qualidade. Desde o treinamento e a capacitação dos profissionais até a ampliação da visão e das expectativas dos gestores das empresas, é necessário mudar um pouco a forma de ver o setor de alto padrão para que ele possa se desenvolver de forma mais contundente.

Como o Nordeste está posicionado para o setor de luxo brasileiro?

Acredito que a Região Nordeste é um dos novos mercados do luxo brasileiro. São Paulo e Rio de Janeiro protagonizaram o início do segmento no país. Agora, principalmente o Sul e o Nordeste estão vivenciando o crescimento e desenvolvimento desse mercado.

O que podemos esperar do mercado do luxo em 2017. O que teremos de novidades para o setor no Brasil?

Não tenho a menor dúvida que a grande expectativa para o mercado do luxo neste ano no Brasil é que ele volte a crescer de forma expressiva. Mas, para isso acontecer a economia do país precisa crescer como um todo. Por isso, volto a afirmar, a principal novidade que gostaríamos de ver nas manchetes dos jornais deste ano é que o setor voltou a crescer.

Crédito: Sxc.hu/Divulgação

Crédito: Sxc.hu/Divulgação

Qual o maior desafio para treinar alguém que não está habituado ao mercado de luxo? Quais são as principais habilidades que um atendente precisa ter para atuar neste setor?

Em minha opinião, a principal habilidade que alguém que trabalha no segmento de alto padrão precisa possuir é a capacidade de dar atenção. Vivemos em um tempo agitado, por isso, a atenção, o carinho e a capacidade de ouvir são muito valorizados no segmento de luxo. Essa capacidade é fundamental para um profissional da área. Um dos principais desafios na capacitação é mostrar aos profissionais que luxo não tem necessariamente relação com altas somas de dinheiro. É preciso quebrar o paradigma e ressaltar que o luxo deve dialogar mais com as emoções do cliente do que, objetivamente, com seus recursos financeiros.

Como foi o processo de pesquisa e elaboração do seu livro Entre taças de champagne e cálice de vinho?

Foi bastante trabalhoso, mas, também, muito prazeroso. Sempre tive a vontade de escrever um livro e em minha trajetória profissional percebi que França e Itália são as principais referências do mercado de luxo no mundo. Como eu tive a oportunidade de morar nestes dois países, decidi escrever sobre as diferenças e semelhanças entre o mercado de luxo nestas duas nações. O livro é resultado das minhas experiências como profissional, mas, também, do meu olhar de visitante nestes países tão importantes para a história mundial.

O que é luxo para você?

Eu gosto de pensar que luxo é aquilo que te faz feliz. Por exemplo, do que adianta ter uma empresa de sucesso se o dono não tem tempo para curtir a família e ver os filhos crescerem?. A sociedade atual exige um movimento contínuo, por isso, dar atenção e ter a oportunidade de vivenciar momentos felizes é uma boa definição de luxo. Meu luxo está no carinho dos meus pais, no abraço dos meus irmãos e em todos os momentos compartilhados ao lado de quem amo.

Salvar

Author: Thayse Boldrini

Share This Post On