“Gravatá receberá o Sun Music Festival, em outubro”, revela Giovanni Papaléo, idealizador do Gravatá Jazz Festival

Giovanni Papaleo – Crédito: Annaclarice Almeida/DP

O engenheiro e músico Giovanni Papaléo é o grande nome por trás do Gravatá Jazz Festival, evento que acontece há 3 anos com o objetivo de propagar o estilo musical no estado. Ele também é baterista da banda pioneira de blues em Pernambuco, Uptown, responsável por incluir Pernambuco no circuito dos grandes festivais de blues. Com a banda, Giovanni já tocou com grandes nomes do cenário musical, como Big Chico, Mister Jack, Renato Barros, Ted Mcneely, Robson Fernandes, James Wheeler, Tico Santa Cruz e Renato Rocha (Detonautas), entre outros artistas.

Giovanni Papaléo é o idealizador do Gravatá Jazz Festival. Crédito: Reprodução/Facebook

Em entrevista ao Blog João Alberto, o músico expressou sua opinião sobre outros estilos musicais e ainda revelou que o Gravatá Jazz Festival e sua banda estão concorrendo ao Prêmio Profissionais da Música. Ele ainda anunciou que, durante o mês de outubro, Gravatá irá receber o Sun Music Festival, onde ele será o produtor local. Confira o bate papo completo aqui:

Quem é sua maior inspiração no jazz?

Minha maior inspiração é o baterista Buddy Rich, o maior baterista de jazz do mundo. Quem me apresentou ele foi meu pai, quando eu era pequeno.

Como surgiu a dedicação ao gênero musical?

Tudo começou porque amo muito o jazz e o blues e aqui em Pernambuco esses gêneros nunca foram difundidos. Nosso estado é o mais rico, culturalmente, do país. A minha banda, Uptown, foi criada justamente para difundir este ritmo e a nossa paixão.

De onde surgiu seu envolvimento com o Gravatá Jazz Festival ?

Sou o idealizador do festival e estou ali presente desde a primeira edição. A influência empresarial do evento é de Eduardo Cavalcanti, Felipe Carreras e Joaquim Neto. Hoje, eu me orgulho em dizer que participo do festival de jazz que é referência no país. Além disso, o festival está concorrendo na categoria festivais de música do Prêmio Profissionais da Música.

O festival acontece durante os dias de carnaval na cidade de Gravatá. Crédito: Reprodução/Facebook

Você participa diretamente da seleção de artistas que tocam no Gravatá Jazz Festival?

Participo de tudo. Desde as sugestões de bandas que irão participar, desenvolvimento da programação até a supervisão dos parafusos que serão colocados no evento.

Como surgiu a banda Uptown Band?

O objetivo principal sempre foi difundir o jazz e o blues no Recife. A Uptown foi a primeira banda desse gênero musical no estado e com ela conseguimos incluir Pernambuco no circuito de festivais como Oi Blues By Night, Gravatá Jazz Festival, Riomar Jazz Fest, Jazz Porto e Garanhuns Jazz Festival. A banda existe há 21 anos e este ano estamos na final do Prêmio Profissionais da Música, somos a única banda do Nordeste na premiação.

A banda Uptown tem 21 anos de estrada e é a grande pioneira do blues em Pernambuco. Crédito: CoverMix/Divulgação

Como é feita a escolha de repertório da banda?

Todo o repertório é feito em conjunto. Procuramos sempre incluir os maiores nomes do blues no Brasil. Estamos lançando também um disco com músicas totalmente autorais, “Uptown band and friends”, e conta com mais de trinta participações nacionais e internacionais, nomes como Robin Banerjee (guitarrista de Amy Winehouse) e integrantes do Kid Abelha.

Com o boom de estilos musicais como sertanejo e funk, como você encara a aceitação do público ao blues no cenário musical atual?

O grande cantor e guitarrista de blues, John Lee Hooker, tem uma frase perfeita para essa situação. “O blues é a raiz e a música pop é o fruto que sai dessa raiz”, ou seja, todas as músicas que hoje fazem sucesso são derivadas do blues.  O funk criado por James Brown é maravilhoso, esse sim é o funk verdadeiro, não é aquele que toca no Rio de Janeiro, o que faz sucesso com a massa. Os modismos passam mas o blues fica, ele sim tem qualidade de verdade.

Crédito: Annaclarice Almeida/DP

O que você acha que impulsionaria o blues atualmente?

Indiretamente, o blues é um grande impulsionador do turismo, como aconteceu no Gravatá Jazz Festival, existe público para isso, é um público exigente e que tem sim bons músicos. Os meios de comunicação preferem investir em algo mais fácil, é só a gente observar, as músicas que tocam hoje não são as mesmas que tocavam há um, dois anos atrás, eles têm que se reinventar. Qualquer um pode tocar sertanejo e funk, são gêneros fáceis de tocar.

A maior inspiração de Giovanni na música é o baterista Buddy Rich. Crédito: Sombra Maceió/Facebook

Como imagina sua relação com a música daqui a 20 anos?

Só tende a crescer. Para mim, música é vida, um grande combustível da vida. Sou movido por ela.

Tem novos projetos para este ano?

Graças ao sucesso do Gravatá Jazz Festival, Pernambuco atraiu a feira internacional da música, Sun Music Festival, que será realizada em Gravatá, em outubro e eu serei o produtor local do evento, a produção nacional fica por conta de Eduardo Maia. Essa feira terá shows de grandes bandas nacionais e internacionais, além de gastronomia e negócios.

 

Compartilhe este post